Monthly Archives: Junho 2010

O Mundial do Professor Carlos Queiroz

A história deste Mundial começa no dia 19 de Novembro de 2008 no dia em que perdemos por 6 a 2 frente ao Brasil. Quando questionado pelas razões que justificavam esse humilhante resultado, disse o nosso professor “já sabia com quem podia ir para a selva”.

Foi esta frase lapidar que deu início ao fim da mais valiosa herança de Scolari. Forte liderança. Forte espírito de grupo conquistado com a defesa intransigente dos “seus meninos”

Carlos Queiroz adoptou atitude inversa e no seu primeiro grande desaire responsabilizou os jogadores.

Diz o povo e com razão quem semeia ventos colhe tempestades. E assim foi.

Fase de Apuramento

Chegámos ao Mundial obrigados a disputar um play-off com a Bósnia-Herzegovina depois de uma péssima prestação na fase de apuramento onde não conseguimos vencer nenhum dos jogos contra os nossos adversários directos, “as portentosas” Suécia e Dinamarca. Durante esta fase, numa atitude desesperada Carlos Queiroz recorreu à naturalização de Liedson (31 anos?) e ainda tentou as dos gémeos brasileiros Fábio e Rafael numa viagem relâmpago a Manchester. Felizmente ambos recusaram

Convocatória

Apurados, etapa seguinte a convocatória. O limitado universo de seleccionáveis levava a crer que a escolha dos eleitos a viajar para Africa do Sul seria um momento pacífico e potencial recuperador do espírito positivo em volta da selecção. Mas a sua total falta de sensatez e de critério coerente deitam tudo a perder. Duas semanas antes de anunciar os 23 eleitos anunciou um pré grupo de 50 onde não constava o nome de Manuel Fernades que veria a constar nos sete jogadores de prevenção a eventual lesão dos convocados. Deixa de fora o guarda-redes Quim – “Não era um opção de futuro” para uma competição com 30 dias de duração e João Moutinho o único totalista de todas as suas anteriores convocatórias. Unanimemente também foi reconhecido que se esqueceu de um suplente natural para a posição de Deco. Em resumo optou por levar 3 GR, 9 defesas, 5 médios, 3 extremos e 3 avançados. Entre os quais estava Pepe que não jogava à mais 6 meses. Tudo pesado o futuro não era prometedor.

Mundial

Em terras de África vários casos: Nani, Ruben Amorim, Deco e Ronaldo.

Nani – A sua misteriosa lesão tão mal explicada sem qualquer comentário da equipa médica da selecção a mostrar mais uma vez uma clara falta de Liderança na defesa do jogador e do grupo de trabalho. Prova foram as palavras de Nani que desmentiam a justificação oficial.

A sua substituição por Ruben Amorim adensou a polémica sobre o acerto das suas primeiras escolhas. Chamar um defesa/médio para um lugar de um extremo/avançado foi elucidativo.

Ruben Amorim – À acrescentar às circunstâncias polémicas da sua escolha e não ás dos seus méritos, (para muitos deveria constar na lista inicial dos 23), no jogo de estreia de Portugal foi a primeira opção vinda do banco. E pergunto eu como é possível um treinador explicar aos restantes elementos que o 24º jogador com apenas 6 dias de estágio passar para 12º. Mais uma evidência da incapacidade do seleccionador de lidar com o balneário.

Deco – A primeira consequência do desastre d o reinado de Queiroz. O luso-brasileiro, desagradado com a sua substituição arrasou com as opções técnico-tácticas do seleccionador. Queiroz ouviu e na sua forma característica de decidir mal fez surgir mais uma lesão e contentou-se com um pedido de desculpas. Dando mais uma demonstração de total inabilidade na gestão d o grupo.

Ronaldo – Acabados de ser eliminados nos oitavos de final pela Espanha e já após banho tomado Ronaldo foi questionado naquele estilo jornalístico abutre sobre as justificações a dar ao país, respondeu aquilo que muitos tinham vontade de dizer: “perguntem ao Carlos Queiroz”. Eu diria o mesmo.

Ronaldo é provavelmente depois de Eusébio o melhor jogador português de todos os tempos. È considerado como um dos melhores do Mundo. E nas suas palavras entendi o reflexo da frustração de jogar numa equipa de nível razoável orientado por um técnico sem competência para comandar/orientar homens, nem saber para aproveitar o seu talento naquele que deveria ser o seu Mundial.

A primeira vez que foi seleccionador nacional Queiroz na hora de se ir embora que coincidia com a hora de falhar o apuramento para o Mundial de 1994 disse que: “a porcaria que existia na FPF tinha de ser varrida”. À data o presidente era Gilberto Madail o mesmo nos dias de hoje. Facto que explica melhor a coerência das opções do Carlos Queiroz do que todo o texto que vos escrevi anteriormente.

P.S. sei que muitos iram afirmar que Ronaldo é o mais caro jogador do Mundo e que se exige a um capitão outro discurso. Correcto, mas também convém lembrar que Carlos Queiroz é o 7º mais bem pago dos 32 presentes no último Mundial, e curriculum só com os meninos em tempos longínquos.

Miguel Leal

3 comentários

Filed under Uncategorized

Incompreensível

Poucas coisas me têm deixado mais perplexo que a total renitência da FIFA em adoptar ajudas electrónicas para a arbitragem de jogos. É impossível referir uma boa razão para tal posição, quando todas as outras grandes modalidades contam com essas ajudas. No futebol prefere-se assistir a injustiças destas e alegar o «factor humano» como indispensável.

Carlos Monteiro

1 Comentário

Filed under Uncategorized

Recordar Sempre

Sir Bob Geldolf : “When he sings, it is with the voice of angels. When his feet move, you can see God dancing.”

Michael Jackson (29/08/1958 — 25/06/2009)

Miguel Leal

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Indecência

Passado o episódio das “escutas em belém” que o Diário de Noticias em tempo oportuno explicou, eis que Cavaco Silva se supera e decide  marcar com a sua ausência a cerimonia fúnebre de José Saramago, Vencedor do Prémio Nobel da Literatura em 1998.

Cavaco Silva não descortinou importância suficiente para interromper as suas férias. Provavelmente pela fartura (apenas 2 Saramago e Egas Moniz) de portugueses laureados pela Academia Sueca que atribui o Nobel desde 1901. Já sol e mar é coisa rara neste país e há que aproveitar.

Não podemos dizer que estamos surpreendidos, em 2008 Cavaco Silva tinha anunciado a Portugal o verdadeiramente relevante ao ponto de obrigar a pausa em período de descanso, O Estatuto Político-Administrativo da Região Autónoma dos Açores.

Para os menos atentos convém informar que Cavaco Silva é o Presidente da Republica Portuguesa logo o Presidentes de todos os Portugueses e não tão somente dos Sousas Laras que por aí andam.

Miguel Leal

1 Comentário

Filed under Política

A Festa do Mundial



Spot da ESPN ao Mundial de Futebol pela voz do Bono

Miguel Leal

Deixe um comentário

Filed under Futebol

Um mundial perdido

Entre vuvuzelas ensurdecedoras, que incomodam quem assiste na TV, jogadores, treinadores e mais 3/4 do mundo, assaltos e clima de insegurança com que as autoridades não souberam lidar, África deitou por terra uma rara oportunidade de se mostrar no seu melhor ao mundo.

Falhou. Como sempre.

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Reflexão presidencial

Porquê que o Alegre não há-de ser Presidente? Um Presidente não serve para nada mesmo….

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized